Destaques Artigos

2 de Abril, Dia Mundial da Conscientização do Autismo


Destaque de abril, 2024

Em 2 de abril é comemorado o Dia Mundial da Conscientização do Autismo, data em que milhões de pessoas lutam por uma sociedade mais humana e sem discriminação.

O que é?

O autismo, atualmente conhecido como Transtorno do Espectro Autista (TEA), é uma síndrome que faz parte de um grupo de desordens do cérebro chamado de transtorno invasivo do desenvolvimento (TID) – também conhecido como transtorno global do desenvolvimento (TGD) e, geralmente, vem acompanhado da deficiência intelectual. Os autistas têm dificuldades de linguagem, socialização e possuem comportamentos repetitivos e restritos.

Segundo a psicóloga da Casas André Luiz, Gabriely Reynaldi, “quanto mais cedo for feito a avaliação da criança e o levantamento das características que indicam que ela pode ter autismo, melhor vai ser o prognóstico e o seu desenvolvimento. À partir de um ano e seis meses de idade, já existem testes e escalas para a identificação de algumas características comportamentais, que indicam que a criança pode ser inserida em atendimentos e, também, em estimulação precoce”.

Como identificar?

O autismo é difícil de ser identificado precocemente. As evidências começam a aparecer próximo aos 3 anos de idade.

O diagnóstico é feito por equipe médica, que avalia o comportamento e o histórico do paciente, norteado pelos critérios estabelecidos por DSM–IV (Manual de Diagnóstico e Estatística da Sociedade Norte-Americana de Psiquiatria) e pelo CID-10 (Classificação Internacional de Doenças da OMS).

Tratamentos

Profissionais da reabilitação que atendem a pessoas com deficiências, realizam avaliações específicas de suas áreas, visando compreender o paciente em suas potencialidades e/ou dificuldades. Sendo assim, é possível encontrar diversas alterações e características de um ou outro diagnóstico.

Pessoas com alterações significativas na interação social, dificuldade de contato de olho, fala ausente ou ininteligível, comportamentos repetitivos e inadequados, entre outras características, podem ser classificadas – por fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais e psicólogos – como pessoas com características autísticas ou com transtornos do espectro do autismo, associadas ou não a outras deficiências.

Desta forma, os trabalhos terapêuticos podem ser melhor estruturados conforme as necessidades encontradas.
Na Fonoaudiologia, por exemplo, trabalha-se com pessoas com transtornos do espectro do autismo associados ou não a outras deficiências com métodos alternativos de comunicação, específicos para suas potencialidades e incapacidades.

Seriam eles:

O PECS, também conhecido por sistema de comunicação por troca de Imagens (Picture Exchange Communication System), é um sistema que permite desenvolver a comunicação interpessoal, principalmente em pessoas com dificuldades severas de comunicação (Almeida, Piza Lamônica, 2005), permitindo desenvolver a compreensão, reduzir a frustração de quem tem dificuldade em falar e permite um poder de maior escolha de quem não se expressa oralmente (Pedrosa, 2006).

Deve ser usado por pessoas com dificuldades na linguagem falada, como pessoas com autismo (Pedrosa, 2006), e pretende desenvolver a independência e a espontaneidade da comunicação (Soares, 2006).

Outro método é o ABA, análise aplicada do comportamento, que é uma abordagem para trabalhar o comportamento autista e ensinar novas habilidades concentrando-se em aumentar os comportamentos que apresentem desafios para o autista e diminuir aqueles inapropriados e repetitivos.

Você sabia?

Atinge quase 2 milhões de brasileiros

Em crianças é mais comum que câncer, AIDS e diabetes juntos

No mundo, a Organização das Nações Unidas (ONU) estima que existam mais de 70 milhões de pessoas com autismo

A cada 110 nascimentos, 1 criança é autista

Publicado em: 02/04/24

Colabore com os atendimentos às pessoas com deficiência

Casas André Luiz

© 2019 C.E.N.L. Casas André Luiz. Todos os direitos reservados.
Respeitamos sua privacidade e seus direitos, saiba mais.
CNPJ: 62.220.637/0001-40 • Isenção Fiscal: 25000.168702/2018-58.
Telefone: (11) 2457-7733 • E-mail: faleconosco@casasandreluiz.org.br